"Nada torna, nada se repete, porque tudo é real."
*Alberto Caeiro

sexta-feira, julho 20, 2007

doente crónico em asfixia cerebral por termoventilação

doente: dor aguda no peito.
médico: falta de exercício.
doente: falta de tempo.
médico: para si, o que significam cinco minutos na vida?

(o divã alargou-se. o corpo enterrado, cada vez mais fundo. os pensamentos sem nexo.uma chávena de chá a arrefecer na mesa? uma canção ouvida no trânsito? o cigarro a queimar no cinzeiro? os gatos aninhados no colo? um telefonema? o livro antes de adormecer? pensar-te? decidir o que jantar? onde? com quem? a falta que me fazes? a mentira revisitada? um sonho?)

médico: quando souber a resposta considere-se curado.

(o semáforo vermelho? a tentação do risco? os últimos cinco minutos contigo.)

doente: os últimos cinco minutos com ela.

cinco minutos depois...

médico: cinco minutos sem respirar e ficará curado.

6 comentários:

aida monteiro disse...

dificil comentar
quando se encontram no texto
algumas palavras a arder.

abracinho.

aida monteiro disse...

( quero com isto dizer: ainda
bem que assim é...
gostei muito, ana)

:)

Natália Nunes disse...

Li em menos de cinco minutos, e estou certa, me marcou para além dos mesmos cinco minutos de nada-tudo.
Adorei!

Magnólia disse...

Texto fantástico, como sempre.
Sempre que não estejas de facto doente.
Em Agosto conto fazer-te outra visita, caso estejas no Porto é claro.

Um beijo grande.

Mary disse...

cinco minutos sem fumar. sem beber um golo da tua voz nos meus ouvidos. cinco minutos entre a verdade e a mentira. em cinco minutos ficas outra. e nem vais precisar de outros cinco para teres a certeza.

ana disse...

se cinco minutos fossem a eternidade, ainda assim, cinco minutos não bastariam para ter certezas de nada.

um abraço para todas.

Ontem foi:

About me:

A minha foto
a entropia é a minha religião. alterno a leitura da bíblia com a interpretação de mapas e mãos. bebo, preferencialmente, azul. tenho, ainda, o hábito de escrever cartas_

Sopra-me ao ouvido: