"Nada torna, nada se repete, porque tudo é real."
*Alberto Caeiro

sexta-feira, agosto 24, 2007

As mãos resistem ao calor deste agosto. Mantêm-se frias. Imunes à temperatura que corre pela cidade. Ponho um disco triste a tocar e espero que os gatos venham falar-me do seu dia. Dos planos para o futuro. A casa, as janelas, os jardins. Abro o livro na mesma página onde ontem o deixei. O parágrafo a ler:

"Acordo nos olhos dos outros quando se abrem. Não durmo, mas deposito-me, inerte, entre as pálpebras e as retinas das pessoas. As pessoas são os meus, só. Nós só podemos ser o olhar de quem amámos e de quem nos amou. O resto do mundo não existe, é outros dias e outras madrugadas."*

Fecho o livro. Escorro o corpo pelo sofá. O sol entra pelas traseiras da casa. Infiltra-se na lombada dos discos. Recorta o chão. Há um gato a espreguiçar-se no tapete, enquanto o outro escova o pêlo.
Fala-me de ti. Gostas de reflexos? Fecho os olhos, por instantes. Releio de memória o parágrafo encerrado no livro. E se eu falasse agora alguém me ouviria? A quem entregar os segredos quando não há ninguém na casa? Que gente minha me existe? Aqui, agora, é o resto do mundo, só esse. Outros dias. Outras madrugadas. Mas o que verdadeiramente importa é que as mãos estão frias. Tão frias que evito arder enquanto não chegas.


*Jorge Reis-Sá, Todos os dias


hiddentrack


Quero estar a 4000 m de altitude, ter o coração seguro entre os dedos e pensar que tudo é simples, enquanto a neve incendeia.

1 comentário:

Billy disse...

Este é melhor local para alguém te ouvir,
eu fui um deles.

Adeus

Ontem foi:

About me:

A minha foto
a entropia é a minha religião. alterno a leitura da bíblia com a interpretação de mapas e mãos. bebo, preferencialmente, azul. tenho, ainda, o hábito de escrever cartas_

Sopra-me ao ouvido: