"Nada torna, nada se repete, porque tudo é real."
*Alberto Caeiro

terça-feira, novembro 03, 2009

para ti.


"Na cidade não se falava de amor
mas eu amava
e resistia à cidade
porque falava de amor"

Filipa Leal

E é assim que começo por te dizer.


os amigos amam-se. como se amam as tardes
longas de outono
e as folhas secas a estalarem no chão.
amam-se como se amam as primeiras chuvas
que os gatos lambem das janelas.
amam-se em segredo, baixinho, em voz alta.
como se amam as aves que abandonam as manhãs no
parapeito das casas e tecem histórias de viagens
de lés-a-lés.

digo-te isto porque sim. porque é triste nas tardes longas de outono
falar-se sozinho.

quando se amam os amigos
eles vêm salvar-nos com chá e bolachas
e o tempo passa a falar-se de coisas tão banais e simples
como o baloiçar lento das árvores
ou o assobio das borboletas pelos quintais.

quando se ama, não é preciso falar-se do amor.
o amor existe. está lá. é silêncio. um pedaço de mar.
uma concha. um fio de luz.

por isso, e só mesmo por isso,
isto é como se não te tivesse dito absolutamente nada.


















Ana C.

Ontem foi:

About me:

A minha foto
a entropia é a minha religião. alterno a leitura da bíblia com a interpretação de mapas e mãos. bebo, preferencialmente, azul. tenho, ainda, o hábito de escrever cartas_

Sopra-me ao ouvido: