"Nada torna, nada se repete, porque tudo é real."
*Alberto Caeiro

domingo, maio 20, 2007

há um caminho à minha espera.
sem tirar os sapatos, vou.
já comprei novos bolsos para acrescentar aos das calças. muito bolsos,
amarrados ao corpo, amarrados uns aos outros, ao peito, ao lado esquerdo.
desafio-me a caber neles todas as paisagens.

tecnologias para o caminho: árvores, gotas de chuva, fragmentos de sol,
sombras, pétalas, vento, folhas, estrelas...

nas minhas pegadas, a ausência das tuas.

se ao menos terra fosse o tecido
de pele onde
finalmente
te aconchegas.

3 comentários:

Magnólia disse...

Posso ir contigo, sem sapatos?

karin disse...

Há realmente muito a reaprender após o caminho. É difícil 'estar' no caminho, estando na cidade, mas
e possível. Tu tens o espírito do caminho, o dom da observação e de te conseguires entusiasmar com pormenores, coisas simples. É só mantê-lo. Espero ansiosamente pelas fotografias e pelos vídeos. Que desgraça :)

Az disse...

sem sapatos, com sapatos...havemos de ir outra vez. e tu vais também. dá jeito alguém que goste de aquecer os pés ;-)

as fotos já espreitei... os vídeos, não. temo que não reproduzam nem 10% do que foi a caminhada...

Ontem foi:

About me:

A minha foto
a entropia é a minha religião. alterno a leitura da bíblia com a interpretação de mapas e mãos. bebo, preferencialmente, azul. tenho, ainda, o hábito de escrever cartas_

Sopra-me ao ouvido: