"Nada torna, nada se repete, porque tudo é real."
*Alberto Caeiro

domingo, dezembro 09, 2007

há lugares aqui. no deserto.
porque ninguém ainda inventou instrumentos como a bússola
ou os mapas ou as estrelas.
rezo com as mãos.
nem todos os corpos caem à mesma velocidade
e desconhecem-se os efeitos da queda.

sobrevive-se porque os mares ainda tombam dos céus.
e as portas também abrem do avesso.
sobrevive-se porque se ignoram os lamentos das árvores.

[não consigo derreter relógios.


paulo pimenta

3 comentários:

menina limão disse...

também nem todos os corpos se reconhecem ao mesmo tempo.

(...)
se se sobrevive porque os mares ainda tombam dos céus, é porque se abre o peito ao despique, ainda.

(mas posso estar a fazer uma interpretação errada)

ana c. disse...

só é preciso quem nos convença a vencer as vertigens.

menina limão disse...

;)

(that's my girl)

Ontem foi:

About me:

A minha foto
a entropia é a minha religião. alterno a leitura da bíblia com a interpretação de mapas e mãos. bebo, preferencialmente, azul. tenho, ainda, o hábito de escrever cartas_

Sopra-me ao ouvido: