"Nada torna, nada se repete, porque tudo é real."
*Alberto Caeiro

quinta-feira, junho 12, 2008

13 isolations



"To make people free is the aim of art, therefore art for me is the science of freedom."

Joseph Beuys


"13 isolations" é uma experiência que merece ser observada, reflectida, divulgada. Diria que parte de um princípio filantropo, muito embora possa ser questionável a forma como se pretende reivindicar atenção sobre causas tão nobres quanto os direitos humanos.

A ideia é fechar 13 artistas numa prisão, na Holanda, durante 29 dias, levando-os a produzirem arte sob condições que se pretendem precisamente combater no espaço-mundo: repressão, aprisionamento e isolamento. Segundo regras rígidas, os artistas serão o reflexo e o próprio instrumento de reflexão sobre questões como o racismo, trabalho infantil, genocídio, crimes ambientais, fome, abuso de poder, etc.etc.

Está tudo explicado no site: 13isolations, a partir do qual, aliás, durante 29 dias em Agosto, se poderá acompanhar o trabalho dos artistas através de vídeo.

Seria sempre uma experiência interessante para acompanhar, inclusive do ponto de vista sociológico. Mas, para além disso, há uma motivação acrescida. Portugal estará representado entre os 13 artistas através de uma jovem pintora (e não só) bastante empreendedora e corajosa, com muito mérito e talento artístico. Se isto parece um elogio barato, desculpa, mereces muito melhor, Priscila.
E até ires embora, já sabes, haverá sempre muita curiosidade e vontade de fazer piadas sobre a tua reclusão...

Good Luck!





The 13 artists will be locked in solitary confinement for 29 days in August 2008. As living metaphors, they will represent the social ills that separate so many in our world, embodying the millions imprisoned by the walls of injustice, prejudice, poverty and politics. The sacrifice of their freedom of movement made by these 13 international artists points to the unwilling and tragic sacrifices made by people every day who are isolated by the ravages of the earth's climate, racial and sexual discrimination, child labor, wrongful imprisonment for dissident opinions, tribalism and war. As they create artwork that reflects the nuances of their aloneness, the artists will be broadcast live eight hours each day via Internet and will become part of the personal experience of millions of viewers world-wide.

(...)

The location for this historical art event is the Oostereiland Prison in Hoorn, Netherlands.




Os 13 artistas:

Kim Tuin Sculptor Holland
Isabella Mara Painter Italy
Sanyu Nagenda Performance artist USA (Uganda-Belize)
Kirsten Leenaars Conceptual artist Holland
Fred Martin Sculptor France
Priscilla Fernandes Painter Portugal
Raymond Watson Painter Ireland
Pippi Kid Performance artist Italy
Katya Grokhovsky Sculptor Ukraine
Moses Foster Painter USA
Lekan Oguntunde Painter Africa (Nigeria)
Noriko Yamaguchi Sculptor Japan
Steven Gerlich Photographer USA

6 comentários:

menina limão disse...

Parece-me uma iniciativa excelente. E fiquei muito contente por saber que a Priscila estará envolvida. Parabéns! :D

ana c. disse...

e reparaste no número que lhe coube?

menina limão disse...

por ser o meu número preferido?

(não me lembro a que outro motivo te podes estar a referir)

(andas desaparecida, andas. da minha casa e da tua. acho mal.)

ana c. disse...

por isso mesmo.

(estar dependente de terceiros para usar net provoca esses desaparecimentos. seria tão mais simples se voltássemos aos cadernos de mão em mão, como na escola. bem, mas isso é nostalgia de trintona, certamente.eheh!)

Priscila Fernandes disse...

olha olha o que vim aqui encontrar!!!! muito obrigada pela força! prá semana há festa de despedida antes do "Big-Prisa" (como diz o Luís)! Todos vestidos de uniforme de prisioneiros e algemas nos pulsos! :)

ana c. disse...

espero poder dar uma saltada à festa, mas se não conseguir, já sabes, mesmo sem uniforme, estou contigo ;-)

Ontem foi:

About me:

A minha foto
a entropia é a minha religião. alterno a leitura da bíblia com a interpretação de mapas e mãos. bebo, preferencialmente, azul. tenho, ainda, o hábito de escrever cartas_

Sopra-me ao ouvido: