"Nada torna, nada se repete, porque tudo é real."
*Alberto Caeiro

sexta-feira, outubro 10, 2008


karin szekessy


no avesso das pálpebras
abertas as mãos
alguma coisa de nós de fora

rente à boca do sol
engole-me
despenteada de vestes
coração cabisbaixo

a derramar a língua pelos telhados
gelados da noite

eu confesso

quem me dera antes o beijo

2 comentários:

menina limão disse...

(gostei tanto)

Anónimo disse...

El sentimiento a la flôr de la piel...
Sexta-feira..., este dia tb colabora:-)
beijos e bom fim de semana

Ontem foi:

About me:

A minha foto
a entropia é a minha religião. alterno a leitura da bíblia com a interpretação de mapas e mãos. bebo, preferencialmente, azul. tenho, ainda, o hábito de escrever cartas_

Sopra-me ao ouvido: